jump to navigation

Descubra plantas e ervas que podem fazer mal em excesso 17 de Maio de 2011

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Alimentos Funcionais, Dicas, Dieta, Qualidade de Vida, Sinais e Sintomas, Stress.
add a comment

Quando pensamos em ervas e verduras, dificilmente levamos em conta que alguma delas pode nos fazer mal, visto que são consideradas alimentos leves, associados à cura de pequenos transtornos. Todavia, até mesmo na hora de ingerir chás e saladas é preciso equilíbrio, pois como lembrou Paulo Edson Reis Jacob Neto, presidente do Sindicato dos Terapeutas do Estado do Rio de Janeiro (Sinter-RJ) e terapeuta naturalista, “toda planta é tóxica. O que varia para o veneno é a dose”.

Por causa de suas vitaminas, minerais e nutrientes, muitas verduras e ervas devem ser consumidas com moderação para que não façam mal à saúde. O limite, segundo Jacob Neto é algo individualizado, pois leva em consideração idade, peso, sexo e outras características pessoais.

“Nada deve ser consumido indiscriminadamente. Nem mesmo alface! Além de ser calmante, vejo muita gente começar a fazer dieta e se jogar na alface. Rica em manganês, ela pode prejudicar o funcionamento da tireoide se for ingerida em demasia, atrapalhando o processo de emagrecimento. Por isso ressalto que o que é tóxico é o que não faz bem, não aquilo que mata”, contou o terapeuta.

Jacob Neto demonstrou preocupação com a crescente “moda” do consumo de produtos naturais, lembrando que muitas pessoas vão às lojas que vendem estes itens e fazem compras como se estivessem em um supermercado, porém sem qualquer orientação sobre o que estão adquirindo e como devem consumir saudavelmente aquele produto. “Virou moda consumir cápsulas de carqueja com alcachofra para emagrecer. Só que as pessoas não sabem, por exemplo, que a carqueja, em excesso abaixa a imunidade e expõe a pessoa à doenças”, destacou.

Segundo o terapeuta, existe uma diferença significativa entre remédios e medicamentos: “todo remédio vem de plantas, exclusivamente. Os medicamentos já são compostos 70% de vegetais, 25% de minerais e 5% de animais e tende a gerar efeitos colaterais”. O profissional também recomendou que o uso de suplementos seja feito única e exclusivamente sob prescrição médica para evitar overdoses que podem prejudicar a saúde: “quando ingerimos o alimento, dificilmente temos esse tipo de problema”.

Chazinho da vovó
Nem sempre o chá pode ser um aliado no combate às doenças, pois também podem fazer mal. O conselho das avós, de sempre mesclar ervas não é para ser descartado, visto que algumas plantas podem ser mal absorvidas ou causar outros males quando ingeridas sozinhas.

“Temos que levar sempre em consideração a individualidade para não haver excesso. No caso dos chás, recomendo, de maneira genérica, o consumo de 30ml de líquido por kg. Também não é preciso usar sempre folhas secas, mas se usar as frescas, é preciso aumentar a quantidade do ingrediente, porque elas têm mais água”, sugeriu o terapeuta.

Para conseguir o efeito desejado também é preciso combater a prisão de ventre para que todas as propriedades nutricionais do alimento possam ser absorvidas corretamente pelo nosso corpo.

O uso de produtos naturais também não deve ser feito ininterruptamente porque o corpo se acostuma. “O ideal é fazer uso por 21 dias, parar uma semana para que todas as células se renovem, e retomar o uso”, ensinou o profissional, que recomendou a busca de orientação médica, pois “toda planta é tóxica e seu uso deve ser individualizado”.

Saiba mais:
Conheça a seguir alguns vegetais e nutrientes que, em exagero, podem comprometer a saúde:

– Absinto (losna): ótimo vermífugo, o chá desta planta amarga é bom para febre, dor de estômago e problemas do fígado, mas pode destruir os glóbulos vermelhos do sangue;

– Agrião: muito rico em iodo, deve ser evitado por gestantes no primeiro e no último trimestre de gestação, pois pode comprometer a tireoide e induzir um aborto ou o parto prematuro;

– Alface: tem propriedades calmantes e é rico em manganês, podendo comprometer o funcionamento da tireoide quando consumido em excesso;

– Aloe vera (babosa): usada para tratar queda de cabelo, queimaduras, eczema e erisipela, deve ser usada apenas externamente, pois caso seja consumida, pode causar nefrite;

– Café: estimulante e rica em cafeína, é uma das bebidas mais consumidas em todo o mundo, mas em demasia pode causar azia por sua acidez, insônia e até taquicardia;

– Capim Limão: calmante e digestivo, pode aumentar a acidez estomacal e provocar azia;

– Carqueja: o chá amargo é digestivo e faz bem ao fígado, mas, quando consumido em demasia, reduz os glóbulos brancos, comprometendo a imunidade;

– Genciana: trata males estomacais, intestinais, do fígado e da vesícula. Em demasia, causa enjoo e fraqueza;

– Guiné: pode ser usada no tratamento de dores de cabeça e cólicas intestinais. Em excesso, é tóxica;

– Poejo: seu chá é calmante, induz ao sono e também é usado para tratar rouquidão e má digestão. É abortivo;

Portal Terra.

Anúncios

Sinais e Sintomas do Stress 7 de Abril de 2011

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Alimentos Funcionais, Atividade Físicas, Depressão, Diabetes, Diabetes Gestacional, Diabetes Tipo 1, Diabetes Tipo 2, Dicas, Dieta, Hipertensão, Impotência, Mitos e Verdades, Pânico, Qualidade de Vida, Sinais e Sintomas, Stress.
Tags: , ,
2 comments

O stress é difícil para os cientistas definirem, pois é um fenomeno altamente subjetivo.

É diferente para cada um de nós.

Coisas que são perturbadoras para alguns indivíduos pode ser prazerosas para os outros.

Também respondem ao stress de maneira diferente.

Algumas pessoas ficam vermelhas, algumas comem mais, enquanto outros crescem pálidas ou comem menos. Existem numerosas mudanças físicas, bem como as respostas emocionais, como ilustrado pela seguinte lista de cerca de 50 sinais e sintomas comuns de stress.

1. Dores de cabeça freqüentes, aperto da mandíbula ou dor;
2. Insônia, pesadelos, perturbando sonhos;
3. Ranger os dentes;
4. Dificuldade de concentração, pensamentos;
5. Gagueira ou gaguejar;
6. Dificuldade de aprendizagem de novas informações;
7. Tremores de lábios e mãos;
8. Esquecimento, desorganização e confusão;
9. Dor de garganta, dor nas costas, espasmos musculares;
10. Dificuldade em tomar decisões;
11. Tonturas e desmaios;
12. Sentir-se sobrecarregado e oprimido;
13. Zumbido ou “sons”;
14. Freqüentes crises de choro ou pensamentos suicidas;
15. Corar frequentemente, sudorese;
16. Sentimentos de solidão ou inutilidade;
17. Pés frios ou mãos suadas;
18. Pouco interesse na aparência, pontualidade prejudicada;
19. Boca seca, problemas de deglutição;
20. Hábitos nervosos, inquietação, pés inquietos;
21. Resfriados freqüentes, infecções, úlceras, herpes;
22. O aumento da frustração, irritabilidade;
23. Erupções cutâneas, prurido, urticária, “arrepiado”;
24. Agir de forma exagerada a pequenos aborrecimentos;
25. Inexplicados ataques freqüente de alergia;
26. Aumento do número de acidentes menores;
27. Azia, dor de estômago, náusea;
28. O comportamento obsessivo-compulsivo;
29. O excesso de arrotos, flatulência;
30. Reduzida eficiência no trabalho ou a produtividade;
31. Constipação, diarréia;
32. Mentiras ou desculpas para encobrir o trabalho;
33. Dificuldade em respirar, suspirar;
34. Resmungou;
35. Súbitos de pânico;
36. Desconfiança defensiva excessiva;
37. Dor no peito, palpitações;
38. Problemas na comunicação, a partilha
39. Micção freqüente
40. Retraimento social e isolamento;
41. Desejo sexual ou o desempenho prejudicado;
42. Cansaço constante, fraqueza, fadiga;
43. O excesso de ansiedade, medo, culpa e nervosismo;
44. Uso freqüente de medicamentos;
45. Aumento da raiva, frustração, hostilidade;
46. Ganho ou perda de peso sem dieta;
47. Depressão, oscilação de humor freqüente;
48. Aumento de fumo, álcool ou drogas;
49. Aumento ou diminuição do apetite;
50. Compulsão ou impulso para jogos;

Conforme demonstrado na lista acima, o stress pode ter amplos efeitos que variam em emoções, humor e comportamento. Igualmente importante, mas muitas vezes menos apreciados são os efeitos em vários sistemas, órgãos e tecidos por todo o corpo.

Por: Stress.org

1.  Frequent headaches, jaw clenching or
pain
  26. Insomnia, nightmares, disturbing
dreams
2.  Gritting, grinding teeth   27. Difficulty concentrating, racing thoughts
3.  Stuttering or stammering   28. Trouble learning new information
4.  Tremors, trembling of lips, hands   29. Forgetfulness, disorganization,
confusion
5.  Neck ache, back pain, muscle spasms   30. Difficulty in making decisions.
6.  Light headedness, faintness, dizziness   31. Feeling overloaded or overwhelmed.
7.  Ringing, buzzing or “popping sounds   32. Frequent crying spells or suicidal
thoughts
8.  Frequent blushing, sweating   33. Feelings of loneliness or worthlessness
9.  Cold or sweaty hands, feet   34. Little interest in appearance,
punctuality
10. Dry mouth, problems swallowing   35. Nervous habits, fidgeting, feet tapping
11. Frequent colds, infections, herpes sores   36. Increased frustration, irritability,
edginess
12. Rashes, itching, hives, “goose bumps”   37. Overreaction to petty annoyances
13. Unexplained or frequent “allergy”
attacks
  38. Increased number of minor accidents
14. Heartburn, stomach pain, nausea   39. Obsessive or compulsive behavior
15. Excess belching, flatulence   40. Reduced work efficiency or productivity
16. Constipation, diarrhea   41. Lies or excuses to cover up poor work
17. Difficulty breathing, sighing   42. Rapid or mumbled speech
18. Sudden attacks of panic   43. Excessive defensiveness or
suspiciousness
19. Chest pain, palpitations   44. Problems in communication, sharing
20. Frequent urination   45. Social withdrawal and isolation
21. Poor sexual desire or performance   46. Constant tiredness, weakness, fatigue
22. Excess anxiety, worry, guilt,
nervousness
  47. Frequent use of over-the-counter drugs
23. Increased anger, frustration, hostility   48. Weight gain or loss without diet
24. Depression, frequent or wild mood
swings
  49. Increased smoking, alcohol or drug use
25. Increased or decreased appetite   50. Excessive gambling or impulse buying

Alimento x Emoções 31 de Março de 2011

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Alimentos Funcionais, Depressão, Diabetes, Dicas, Dieta, Hipertensão, Mitos e Verdades, Obesidade, Qualidade de Vida, Sinais e Sintomas, Stress.
add a comment

Banana: contra a ansiedade. Se você anda mais ansiosa que o normal, aposte na banana para elevar os níveis de serotonina. Quando os níveis desse neurotransmissor estão baixos, falha a comunicação entre as células cerebrais. Aí você fica irritada e especialmente ansiosa. A fruta combina doses importantes de triptofano e vitamina B6. Juntas, as duas substâncias se tornam poderosíssimas na produção da serotonina. Quanto consumir: 2 unidades por dia

Mel: pura alegria. Triste sem motivo? De novo a causa pode ser a serotonina de menos. Nesse caso, o mel funciona como um calmante natural, pois aumenta a eficiência da serotonina no cérebro. Mas não é só aí que ele atua. Quando alcança o intestino, ajuda a regenerar a microflora intestinal. Resultado: o ambiente se torna mais propício para a produção de serotonina. Surpresa? Pois é, cerca de 90% do neurotransmissor do bom humor é produzido no intestino. Quanto consumir: 1colher (sopa) / dia.  

Abacate: amigo do sono. Dormir é tão importante para viver bem quanto comer direito e fazer exercícios. Tem noite que o sono não vem? Põe fé no abacate. Tudo bem, ele tem gordura, mas é boa. E oferece vitaminas que ajudam você a se entender melhor o travesseiro. A vitamina B3 equilibra os hormônios que regulam as substâncias químicas cerebrais responsáveis pelo sono. Já o ácido fólico funciona como se fosse uma enzima, alimentando os neurotransmissores que fazem você dormir bem. Quanto consumir: ½ abacate pequeno, 3x / semana.

Salmão: levanta o astral. Mau humor constante pode ser sinal de falta de ômega 3 no prato. O representante oficial dessa gordura amiga é o salmão. Mas existem outros peixes (atum, aranque e sardinha) que jogam seu astral lá para cima. O ômega 3 melhora o ânimo porque aumenta os níveis de serotonina, dopamina e noradrenalina – substâncias responsáveis pela sensação de bem-estar. Estudos também comprovam que este ácido graxo tira os radicais livres de cena e assim protege o sistema nervoso central. Quanto consumir: 1 porção, 3x / semana.

Lentilha: afasta o medo. Angústia e medo podem estar relacionados ao desequilíbrio de cálcio e magnésio. Essa dupla atua no balanceamento das sensações. Além de incluir alimentos com cálcio (queijo e iogurte) e magnésio (acelga) na dieta, consuma mais lentilha. Ela tem efeito ansiolítico, ou seja, tranqüiliza e conforta. Isso porque é precursora da gaba, neurotransmissor que também interfere nos sentimentos. Quanto consumir: 3 conchas pequenas / semana.

Nozes: mantém você concentrada. São muitos os nutrientes das nozes. Mas é a vitamina B1 a responsável por essa fruta oleaginosa melhorar a concentração, pois a B1 imita a acetilcolina, neurotransmissor envolvido em funções cerebrais relacionadas à memória. Quanto consumir: 2 nozes, 4x / semana.

Chá verde: espanta o estresse. Essa erva, a Camellia sinensis, tem fitoquímicos (polifenóis e catequinas) capazes de neutralizar as substâncias oxidantes presentes no organismo que, em excesso, deixam você cansada e estressada e acabam desorganizando o funcionamento do organismo. O estresse é capaz de desencadear a síndrome metabólica, culpada por doenças como a obesidade e a depressão. Beber chá verde, conforme alguns estudos, melhora a digestão e deixa a mente lenta. Quanto consumir: 4 a 6 xícaras (chá) / dia.

Brócolis: deixa a mente esperta. É comum você demorar alguns segundos para lembrar o número do seu telefone? Este alimento é rico em ácido fólico, acelera o processamento de informação nas células do cérebro, conseqüentemente, melhorando a memória. Porções extras desta verdura vão fazer você lembrar de tudo rapidinho. Quanto consumir: 1 pires / dia.

Clorela: controla a preocupação. Comportamento obsessivo pode ser sinal de que as células do organismo estão desvitalizadas. A alga clorela funciona como um poderosíssimo reparador celular, melhorando as funções fisiológicas e o sistema imunológico. E mais: contém vitaminas (B3, B6, B12 e E) e minerais (cálcio, magnésio e fósforo) e aminoácidos (triptofano) que ajudam a estabilizar os circuitos nervosos, acabando com a aflição e aumentando a sensação de conforto. Quanto consumir: de 2 a 4g / dia (cápsula)

Óleo de linhaça: dribla o apetite voraz. O óleo extraído da semente de linhaça e prensado à frio é uma fonte vegetal riquíssima em gordura ômega 3, 6 e 9. Melhor: é um dos poucos alimentos com ômega numa proporção próxima do ideal, o que é imprescindível para que exerça suas funções benéficas. Uma delas é regular os hormônios que ajudam a manter o sistema nervoso saudável. Com isso, a ansiedade perde espaço e a compulsão a comida fica bem menor. Quanto consumir: 1colher (sobremesa) / dia, antes das refeições principais.

Gérmen de trigo: acaba com a irritação. Assim como as nozes, o gérmen de trigo tem vitamina B1 e inositol, que reforçam a concentração. Mas por ter uma boa dose de vitamina B5, o gérmen é especialmente indicado como calmante, já que melhora a qualidade de impulsos nervosos, evitando nervosismo e irritabilidade. Quanto consumir: 2 colheres (chá) / dia.

Tofu: espanta o desânimo. O queijo de soja tem o dobro de proteínas do feijão e uma boa dose de cálcio. Também é rico em magnésio (evita o enfraquecimento das enzimas que participam de produção de energia) e ferro (combate a anemia). Quando estes minerais estão em baixa no organismo, você se sente fraca e sem ânimo. Mas é a colina, substância que protege a membrana das células cerebrais, que dá ao tofu o poder de acabar com o cansaço mental. Quanto consumir: 1 fatia média / dia.

Por: Prof. Paulo Edson Reis Jacob Neto

Para emagrecer com eficácia, emagreça logo e muito 18 de Julho de 2010

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Alimentos Funcionais, Dicas, Dieta, Stress.
add a comment

Pesquisa mostra que 78% das pessoas que tentaram emagrecer “logo” conseguiram perder 15% do peso, contra 48% submetidas a um regime lento

Ao contrário da ideia geralmente aceita, inclusive entre os médicos sobre a melhor receita para perder quilos, uma nova teoria começa a tomar corpo. Diz que, para emagrecer com eficácia, é preciso emagrecer muito… e rápido, segundo estudos apresentados no Congresso internacional sobre obesidade, concluído em Estocolmo (11 a 15 de julho).

Médica endocrinologista e doutoranda da Universidade de Melbourne (Austrália), Katrina Purcell conduziu uma experiência comparativa entre dois modelos de regime: um “rápido”, em 12 semanas, visando a uma perda de 1,5 kg por semana para uma pessoa de 100 kg, e outro “gradual”, de 36 semanas, com o objetivo de perder 0,5 kg por semana para uma pessoa com esse mesmo peso.

“Espantosamente e ao contrário do que se pensa, o estudo demonstra que o regime ‘rápido’ é mais eficaz que o ‘gradual’ para quem quiser perder quilos”, comenta ela.

Os resultados obtidos mostram que 78% das pessoas que tentaram emagrecer “logo” conseguiram perder 15% do peso, contra 48% submetidas a um regime “gradual”, mais lento.

Um dos motivos, avançados pela cientista, é psicológico e diz respeito à motivação: “quando se perde 1,5 kg por semana, temos vontade de dar continuidade ao regime, o mesmo não acontecendo quando se perde 0,5 kg aqui ou ali…”

Quatro participantes do grupo “gradual” abandonaram a experiência antes do final, achando que houve muito esforço, contra apenas um no grupo do emegrecimento “rápido”.

Katrina Purcell adverte, no entanto, contra os regimes muito rápidos, as chamadas “crash diets”, que consistem numa privação extrema de calorias. “Não faça isso sozinho, faça junto com seu médico, que é o único capaz de orientar melhor sua dieta”, diz ela.

Muitos médicos e nutricionistas acham que quanto mais se perde quilos, mais somos suscetíveis de voltar a ganhá-los.

E isso leva a médica a acompanhar os dois grupos com muito cuidado, pelo que pretende divulgar os resultados finais da pesquisa em três anos.

O Instituto nacional holandês para a Saúde Pública e o Meio Ambiente estuda a ligação entre a quantidade de quilos perdidos e a eventual recuperação do peso que advém.

Segundo a pesquisa, 54% das pessoas que perderam peso tendem a conservar os benefícios disso durante um ano, independentemente da quantidade dessa perda.

Daí a conclusão de que, “quanto mais se perde peso inicialmente, mais a perda permanece importante um ano depois”, diz o cientista Jeroen Barte.

É por isso, então, que “as perdas de peso de 10% ou mais deveriam ser encorajadas e preferíveis às menos significativas porque, um ano após, os benefícios serão sentidos”, afirma, reconhecendo que o estudo “acaba com um mito”.

Barte acrescenta que estudos deverão ser realizados “para determinar os objetivos ótimos da perda de peso e estabelecer as melhores práticas, para permitir sua manutenção”.

Katrina Purcell não condena, no entanto, os regimes mais longos, uma vez que permitem uma modificação profunda no modo de vida.

Os cientistas concordam que os hábitos alimentares e o modo de vida são fatores primordiais da obesidade e do sobrepeso.

Quantidade das porções, luta contra o marketing agressivo da indústria de alimentos, reformulação de produtos com menos sal ou menos açúcar, incentivos fiscais, divulgação sistemática das calorias no menu dos restaurantes… Antes de pensar em regimes, “é preciso uma mudança cultural!”, diz o presidente da ONG International Association of Consumer Food Organizations (IACFO), Bruce Silverglade.

(Com AFP)

Alimentação para seu tipo sanguineo 4 de Outubro de 2009

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Alimentos Funcionais, Dicas.
add a comment

– ALIMENTAÇÃO IDEAL PARA PESSOAS DO TIPO O

PREFERIR MODERAR EVITAR
Carne vermelha magra Carneiro, cordeiro, aves (frango, pato, peru, faisão, perdiz, codorna etc.), ovos, coelho. Carne de porco e derivados (bacon, presunto, lingüiça etc.)
Bacalhau, badejo, cavala, enchova, linguado, merluza, salmão, sardinha, truta Atum, carpa, garoupa, pescada, rã Carnes e peixe defumados, ostra, escargot, polvo, caviar, hadoque, lagosta, lula, mexilhão, arenque
Leite de cabra, e derivados: iogurte e queijo, leite de soja, tofu Leite de vaca e derivados (iogurte, queijo, manteiga etc.)
Azeite de oliveira extravirgem Óleo de canola, de gergelim, de arroz Óleo  de amendoim, de algodão, de milho
Nozes, sementes de abóbora torradas Amêndoas, avelãs, pecãs, pinhões,  castanhas, gergelim, sementes de girassol Amendoim, castanha de caju e do Pará, pistache
Ervilhas, feijão-azuki Feijão preto, favas, tremoços, feijão-de-corda, grão-de-bico, vagem, soja Feijão-branco, fradinho, mulatinho, lentilhas
Trigo germinado Arroz branco e integral, centeio, cevada, painço, trigo-sarraceno Aveia, glúten, milho, germe de trigo, farinha de trigo branca e integral
Água mineral sem gás Cerveja, chope, vinho branco ou tinto Café ou chá normal ou descafeinado, bebidas destiladas (vodca, cachaça ou uísque), refrigerantes em geral
Chá de hortelã, dente-de-leão, salsa, frutos da roseira Chás de camomila, ginseng, alcaçuz, gengibre, chá verde Chás de alfafa, aloe (babosa), cabelo de milho, sene, equinácea
Ameixas frescas e secas, figos frescos e secos Abacaxi, amora, banana, caqui, carambola, cereja, damasco, framboesa, goiaba, groselha, kiwi, lima, limão, maçã, mamão, manga, melão amarelo, melancia, nectarina, pêra, pêssego, romã, tâmara, uvas em geral Abacate, açaí, acerola, banana-da-terra, cupuaçu, coco, graviola, laranja ácida, maracujá, morango, melão, tangerina
Açafrão, curry, pimenta-de-caiena, salsa Açúcar mascavo, ágar, alecrim, alho, aniz, araruta, cebolinha, sal coentro, cominho, cravo-da-índia, estragão, hortelã, louro, malte de cevada, manjericão, mel de abelha, melado, menta, missô, mostarda seca, páprica, pimentão, raiz-forte, sálvia, pimenta-malagueta e da Jamaica, molho de soja, maionese, molho inglês, tomilho Alcaparras, canela, maisena, noz-moscada, baunilha, pimenta-branca e do reino, ketchup, picles e vinagres em geral, inclusive mostarda com vinagre, molho à campanha ou ao vinagrete
Abóbora, acelga, alcachofra, alface, algas, alho, alho-poró, salsa, batata-doce e baroa, beterraba e suas folhas, brócolis, cebola, chicória, couve, escarola, nabo, espinafre, pimenta malagueta, quiabo, raiz-forte Abobrinha, agrião, aipo, aipim, alface, aspargos, azeitonas verdes, brotos de bambu e de feijão, cará, cenoura, coentro, cogumelos, gengibre, inhame, pepino, pimenta amarela e mexicana, pimentão, rabanete, tomate Azeitona preta, batata-inglesa, berinjela, brotos de alfafa, couve-flor, couve-de-bruxelas, milho branco e amarelo, repolho branco, vermelho, verde e chinês, folhas de mostarda

ALIMENTAÇÃO IDEAL PARA PESSOAS DO TIPO A

PREFERIR MODERAR EVITAR
Frango, peito de peru, ovos Carne bovina ou de porco e derivados, búfalo, vitela, veado, coelho, pato, ganso, codorna ou faisão
Bacalhau, carpa, cavala,  garoupa, salmão, vermelho, sardinha Atum, pargo, pescada Arenque, camarão, caranguejo, caviar, cação, enchova, hadoque, lagosta, linguado, lula, merluza, mexilhões, ostra, polvo, rã, salmão defumado, tartaruga
Leite, queijo de soja Leite de cabra e derivados (iogurte, queijo, requeijão etc.) Leite de vaca e derivados (iogurte, queijo, requeijão etc.)
Azeite de oliveira extravirgem Óleo de arroz ou de canola Óleos  de amendoim, algodão, milho, gergelim
Amendoim, sementes de abóbora torradas Amêndoas, avelãs, castanhas, gergelim, nozes, pinhão, sementes torradas de girassol Castanha de caju e do pará, pistache
Ervilhas, lentilhas e feijão-preto, soja, azuki Ervilhas, feijão em vagem, feijão-de-corda, feijão-branco Feijão fradinho e mulatinho, guando, grão-de-bico
Centeio, trigo sarraceno, trigo germinado Arroz integral, aveia, cevada, milho, painço, tapioca Farinha de trigo branca e  integral, glúten, granola, semolina
Abacaxi, ameixas em geral, amora, cereja, damasco, figos frescos e secos, limão, passas Abacate, caqui, romã, carambola, framboesa, goiaba, kiwi, lima, maçã, melão amarelo, morango, pêra, pêssego, tâmara, uvas (todas) Bananas em geral, coco, laranja, mamão, manga,maracujá, acerola, tangerina, melão, cupuaçu
Alho, gengibre, melado, missô, malte de cevada, mostarda, molho de soja Açafrão, açúcar mascavo, ágar, alecrim, algas, araruta, baunilha, canela, cebolinha, coentro, cominho, cravo-da-índia, cúrcuma, curry, erva-doce, estragão, hortelã, louro, manjericão, mel de abelha, menta, noz-moscada, orégano, picles em geral, páprica, pimentão, sal, salsa, sálvia, tapioca, tomilho Alcaparras, gelatina, pimentas em geral, vinagres em geral, ketchup, maionese, molho inglês
Café normal ou descafeinado, vinho tinto Vinho branco Bebidas destiladas (cachaça, vodca, uísque), chá preto, cerveja, água gasosa
Chá verde de alfafa, aloe (babosa), camomila, ginseng, gengibre, equinácea, frutos da roseira Chás de dente-de-leão, alcaçuz, salsa, hortelã, sene Chá de cabelo de milho
Abóbora-moranga, acelga, alcachofra, alface, aipim, alho, alho-poró, folhas de beterraba, brócolis, brotos de alfafa, cebolas brancas e vermelhas, cenoura, chicória, espinafre, nabo, quiabo, raiz-forte, salsa, couve, tofu Abóbora, agrião, aipo, alface, algas, azeitona verde, aipim, aspargos, broto de bambu, coentro, cogumelos, couve-flor, couve-de-bruxelas, funcho, milho amarelo e branco, folhas de mostarda, pepino, rabanete, repolho-chinês Azeitonas pretas, batata em geral, berinjela, guando, inhame, pimentão, repolhos em geral, tomate, shiitake (tipo de cogumelo)

ALIMENTAÇÃO IDEAL PARA PESSOAS DO TIPO B

PREFERIR MODERAR EVITAR
Carneiro, cordeiro Carne bovina magra, peru, ovos, frango Carne de porco e derivados (bacon, presunto, lingüiça etc.),  aves em geral
Bacalhau, badejo, cavala,  garoupa, pargo, linguado, sardinha Atum, carpa, pescada, salmão, truta Camarão, caranguejo, enchova, lagosta, ostra, polvo, arenque, siri, rã, salmão defumado, tartaruga, caviar, hadoque, cação, lula
Leite de cabra e derivados (iogurte, queijos em geral, coalhada etc.) Leite de soja, leite de vaca desnatado e derivado (iogurte, coalhada e queijos em geral) Queijo roquefort, leite de vaca integral
Azeite de oliveira extravirgem Óleo de arroz Óleo de amendoim, canola, milho, gergelim, girassol
Amêndoas, castanhas, castanha-do-pará, nozes Amendoim, avelã, castanha de caju, pasta de gergelim, sementes de abóbora e girassol torrados, pistache
Feijão-branco, fradinho e mulatinho, feijão de soja Ervilhas em favas, guando, vagem Ervilhas em grãos, lentilhas, grão-de-bico, feijão-azuki, rajado, preto
Arroz branco e integral,  painço, aveia integral, trigo germinado Creme de arroz, granola, semolina Cevada, centeio, germe de trigo, milho e derivado, glúten, trigo e derivados, trigo sarraceno
Chás de alcaçuz, gengibre, ginseng, hortelã, frutos da roseira, salsa, sálvia Chás de alfafa, camomila, chá verde, dente-de-leão, equinácea, erva-de-são-joão, sabugueiro Chás de aloe, cabelo de milho, genciana, sene, tília
Água mineral sem gás Café-preto, chá-preto, cerveja, vinhos brancos e tintos Águas minerais gasosa, bebidas destiladas (cachaça, vodca, uísque), refrigerantes
Batata-doce, berinjela, beterraba e suas folhas, brócolis, cenoura, couve, couve-flor, couve-de-bruxelas, folhas de mostarda, inhame, pimentas em geral, salsa, shiitake (tipo de cogumelo) Abóbora, abobrinha, alface, acelga, agrião, aipo, aipim, broto de alfafa, algas marinhas, alho, alho-poró, aspargos, batata-inglesa, baroa e doce, brotos de bambu, cebolas, chicória, escarola, espinafre, gengibre, nabo, pepino, rabanete Alcachofra, abóbora-moranga, azeitonas em geral, brotos de feijão, milho em geral, tomate
Abacaxi, ameixa fresca, banana, mamão, uvas Ameixa seca, amora, banana-da-terra, cereja, damasco, figo, goiaba, framboesa, groselha, kiwi, laranja, lima, limão, maçã, manga, nectarina, melão, morango, pêra, pêssego, tangerina Abacate, caqui, coco, carambola, romã
Curry, gengibre, pimenta-de-caiena, raiz-forte, salsa Açafrão, açúcar mascavo, ágar, alcaparra, alecrim, alfarroba, algas, alho, araruta, baunilha, cebolinha, estragão, coentro, cominho, cravo, erva-doce, missô, hortelã, louro, manjericão, manjerona, menta, mel, melado, noz-moscada, sálvia, orégano, páprica, malagueta, pimentão, soja (molho), tomilho Canela, gelatina, maionese, malte de cevada, mel de milho, pimenta-branca, pimenta da Jamaica, pimenta-do-reino, ketchup, tapioca

ALIMENTAÇÃO IDEAL PARA PESSOAS DO TIPO AB

PREFERIR MODERAR EVITAR
Carneiro, cordeiro, coelho, peru Ovos Carne bovina e de porco, aves em geral, carnes secas e defumadas
Atum, bacalhau, badejo, cavala, garoupa, truta, pargo, salmão, sardinha, vermelho Carpa, linguado, pescada Arenque, rã, caviar, mexilhão, lula, camarão, siri, polvo, caranguejo, enchova, ostra, enguia, lagosta
Leite de cabra e derivados Leite de soja, leite de vaca desnatado e derivado exceto os queijos ao lado Leite de vaca integral, manteiga, queijos brie, camembert, parmesão, provolone e roquefort
Azeite de oliveira extravirgem Óleo de canola, de fígado de bacalhau, de amendoim Óleo de gergelim, de milho, de girassol
Amendoim, nozes Amêndoas, castanha de caju, castanha-do-pará, pistache Avelã, gergelim (tahini), sementes de abóbora, de girassol
Feijão-branco, vermelho, soja, lentilha, tofu Ervilha em grãos e em vagens, guando, feijão de corda, vagens Feijão-azuki, feijão-preto, feijão roxinho, grão-de-bico
Arroz branco e integral, aveia, centeio, trigo germinado Cevada, farinha de trigo branca e integral, semolina, painço Milho e derivados, trigo sarraceno
Aipo, alho, berinjela, salsa,  beterraba e suas folhas, brócolis, broto de alfafa, couve, pepino, couve-flor, inhame, mostarda (folhas) Abóbora de qualquer tipo, acelga, agrião, alface, alho-poró, aspargos, azeitona verde, batatas em geral, brotos de bambu, cebola, cebolinha, repolho,  tomate, cenoura, chicória, coentro, cogumelos, couve-de-bruxelas, espinafre, gengibre, nabo, quiabo, raiz-forte Alcachofra, azeitona preta, brotos de feijão, milho em conserva, pimentas em geral, rabanetes
Abacaxi, ameixas em geral, cereja, figo, kiwi, framboesa, groselha, limão, uvas (todas) Amora, damasco, lima, maçã, mamão, melão, morango, nectarina, pêra, pêssego, tâmara, tangerina Abacate, banana, caqui, coco, carambola, goiaba, laranja, manga, romã
Café normal e descafeinado Água mineral, cerveja, vinho branco e tinto Bebidas destiladas (cachaça, vodca, uísque), refrigerantes em geral
Alho, curry, missô, raiz-forte, salsa Açafrão, açúcar mascavo, ágar, alecrim, alfarroba, algas, araruta, baunilha, canela, sal, cebolinha, coentro, cominho, cravo, estragão, hortelã, louro, menta, manjericão, manjerona, mel de abelha, melado, mostarda, noz-moscada, páprica, pimentão, shoyo, tomilho Alcaparras, aniz, gelatina, maisena, malte de cevada, mel de milho, pimentas em geral, picles, molho inglês, vinagres em geral, ketchup
Chás de alcaçuz, alfafa,  bardana, camomila, chá-verde, equinácea, gengibre, ginseng, frutos da roseira, bromelina Chá de dente-de-leão, erva-de-são-joão, hortelã, sálvia, sabugueiro, salsa, salsaparrilha Chás de aloe, cabelo de milho, genciana, sene, chá-preto, mate

ALIMENTAÇÃO IDEAL PARA PESSOAS DO TIPO AO

PREFERIR MODERAR EVITAR
Carne bovina magra, carneiro, cordeiro, frango, peru, ovos Carne de porco e derivados (bacon, presunto, lingüiça)
Bacalhau, badejo, truta, carpa, vermelho, sardinha, cavala, salmão Atum, enchova, linguado, merluza, pargo, pescada Camarão, lula, caranguejo, caviar, lagosta, cação, mariscos, siri, rã, mexilhões, ostra, polvo, tartaruga
Leite soja e derivados Leite e queijo de cabra e derivados Leite e queijo de vaca e derivados
Azeite de oliveira extravirgem Óleo de arroz,  canola, ou gergelim Óleo  de amendoim, algodão ou milho
Nozes, sementes de abóbora torradas Amendoim, amêndoas, avelãs, castanhas, gergelim, sementes de girassol torradas Castanha de caju e do pará, pistache
Ervilhas, feijão-azuki, feijão-preto, feijão de soja Feijão de corda Feijão-branco, fradinho e mulatinho, grão-de-bico, lentilhas e pistache
Trigo sarraceno, trigo germinado Arroz de todos os tipos, cevada, painço Aveia, milho, trigo e derivados (inclusive glúten), granola
Abóbora, acelga, alcachofra, alface, algas, alho, alho-poró, azeitonas verdes, nabo,  aipim, batata-doce, salsa, brócolis, cebolas, cenoura, chicória, espinafre, quiabo, raiz-forte, folhas de beterraba Abobrinha, agrião, aipo, aspargos,  brotos de bambu, cogumelo, gengibre, pepino, pimentão, rabanete, batata-doce, batata-baroa, brotos de alfafa Azeitona preta, batata-inglesa, berinjela, inhame, pimentão, repolhos em geral, couve-flor, couve-de-bruxelas, tomate
Abacaxi, ameixa, figo, amora, cereja, damasco, limão Caqui, carambola, framboesa, goiaba, kiwi, lima, maçã, melão amarelo e verde, pêra, pêssego, romã, tâmara, uvas em geral Abacate, banana, coco,  acerola, cupuaçu, graviola, laranja ácida, mamão, manga, melão, maracujá, morango, tangerina ácida
Vinho tinto Água mineral, café preto, vinho branco Bebidas destiladas (vodca, cachaça ou uísque), chope, cerveja, refrigerantes
Alho, curry, cúrcuma,  cebola, salsa Açafrão açúcar mascavo, ágar, alecrim, araruta, coentro, cominho, cravo, erva-doce, estragão, hortelã, louro, manjericão, manjerona, mel de abelha, melado, menta, missô, mostarda sem vinagre, orégano, páprica, pimenta-de-caiena, tomilho Alcaparras, canela, maisena, noz-moscada, maionese, molho inglês, molho à campanha, picles, vinagres em geral,  baunilha
Chá de dente-de-leão, hortelã, salsa, gengibre, frutos da roseira, chá-verde, camomila, ginseng Chá de alfafa, equinácea, aloe (babosa) Chá de cabelo de milho, sene, chá-preto

ALIMENTAÇÃO IDEAL PARA PESSOAS DO TIPO BO

PREFERIR MODERAR EVITAR
Carneiro, cordeiro, coelho Peru, ovos, carne bovina magra, frango Carne de porco e derivados (bacon, presunto, lingüiça etc.)
Bacalhau, badejo, garoupa, linguado, merluza, salmão, sardinha, truta Atum, carpa, enchova, pescada Camarão, lula, caranguejo, enguia, lagosta, caviar, mexilhão, ostra, rã, tartaruga, cação, carnes e peixe defumados, caviar, lula, arenque
Leite de cabra e derivados (iogurte, queijo etc.) Leite de soja e tofu, leite de vaca desnatado e derivado Leite de vaca integral e derivado (iogurte, queijo, manteiga etc.)
Azeite de oliveira extravirgem Óleo de arroz Óleo  de amendoim, algodão, canola, gergelim, milho, girassol
Nozes Amêndoas, castanhas, sementes de abóbora torradas, pecãs, pinhões Amendoim, avelãs, castanha de caju e do Pará, gergelim, pistache
Feijão de soja, ervilha em favas, feijão-de-corda, feijão branco, fradinho e mulatinho Feijão-azuki, rajado e preto, lentilhas, grão-de-bico
Arroz branco e integral, painço, trigo germinado Aveia Centeio, cevada, milho e derivados, trigo e derivados, trigo sarraceno, germe de trigo, glúten
Água mineral sem gás Cerveja, chope, vinho branco ou tinto Café preto, bebidas destiladas (cachaça, vodca, uísque), refrigerantes em geral
Ameixas em geral, bananas, mamão, uvas em geral Abacaxi, amora, cereja, damasco, framboesa, goiaba, groselha, kiwi, lima, limão, maçã, melão amarelo, manga, figo, melancia, nectarina, pêra, pêssego, tâmara Abacate, banana-da-terra, caqui, coco, carambola, laranja ácida, maracujá, morango, melão, tangerina
Açafrão, alfarroba, raiz-forte,  curry, pimenta-de-caiena, salsa Açúcar mascavo, ágar, alecrim, alho, aniz, araruta, cebolinha, coentro, cominho, cravo, estragão, hortelã, louro, manjericão, mel, melado, menta, missô, mostarda seca, páprica, molho de soja, molho inglês, tomilho Alcaparras, canela, maisena, noz-moscada, baunilha, pimenta-branca, pimenta da Jamaica, pimenta-do-reino, ketchup, picles e vinagres em geral, molho à campanha ou vinagrete
Chás de alcaçuz, gengibre, ginseng, dente-de-leão, frutos da roseira, salsa Chás de camomila, chá verde Chá de alfafa, aloe (babosa), cabelo de milho, sene, equinácea, tília, sabugueiro, chá-preto
Abóbora, abobrinha, acelga, alho, alho-poró, batata baroa, batata-doce, beterraba e suas folhas, brócolis, cebola, cará, cenoura, couve, escarola, chicória, coentro, espinafre, nabo, quiabo, pimentão, inhame, aipim Agrião, aipo, aspargos, brotos de alfafa e bambu, espinafre, berinjela,  alcachofra, pepino, raiz-forte, gengibre Azeitonas em geral, brotos de feijão, milho em geral, folhas de mostarda, rabanete, tomate

Como evitar a gripe suina 3 de Outubro de 2009

Posted by Geraldo Neto in Alimentos Funcionais, Dicas.
add a comment

Além das recomendações das autoridades sanitárias, como lavar as mãos com frequência, etc., existem providências que devem ser lembradas, ou conhecidas que, infelizmente, não fazem parte dos cuidados necessários, sendo que, muitos deles, são mais importantes do que as orientações oficiais.

Primeiramente, tanto profissionais de saúde quanto pessoas comuns, devem saber que é necessário atuar no sentido de se possuir um sistema imunológico bem forte. Percebo que absolutamente nada está se fazendo nessa direção, de uma forma que se espalha o terror de uma nova doença, mas não se tomam as providências necessárias para reforçar o mecanismo de defesa do organismo da população, permitindo assim que todos estejam expostos à virose em questão.

Por que as pessoas adquirem mesmo a gripe comum e o que fazer para fortalecer as defesas?

Para começar, é necessário saber O QUE ENFRAQUECE o nosso sistema imunológico, e isso não é divulgado (ou sabido?) pelas autoridades sanitárias.

Sabe-se, cientificamente, que todos os vírus se beneficiam e se desenvolvem mais facilmente em ambientes orgânicos mais ácidos e, obviamente, quando o sistema imunológico está enfraquecido. E o que faz com que nosso ambiente sanguíneo fique mais ácido e o que diminui a força das nossas defesas?

São os alimentos industrializados que tendem a criar e a manter um ambiente sanguíneo mais ácido.

Os principais são:

Açúcar branco – Produz ácido carbônico em quantidade proporcional à quantidade ingerida, seja ele puro ou presente em doces, refrigerantes, bolos, tortas, guloseimas, etc. O uso regular de grandes quantidades de açúcar branco produz perda de cálcio e magnésio (e muitos microminerais), o que afeta sobremaneira de modo crônico e constante o nosso sistema imunológico. Deve ser substituído pelo açúcar mascavo orgânico, mel, etc.

Carnes vermelhas e embutidos – Produz diversos ácidos e reações ácidas, como ácido oxálico, ácido úrico, além de toxinas redutoras da imunidade como cadaverina, putrescina, indol, escatol, fenol, etc. Como fonte de proteínas, dar preferência a peixes e proteínas vegetais, frutas oleaginosas, leguminosas, subprodutos da soja, etc.

Leite e derivados –  Principalmente o leite de vaca, rico em caseína (indigesto), produz  incremento do ácido lático e gera mucosidades em excesso, enfraquecimento das defesas orgânicas, expondo os seus consumidores, não só à gripe, mas a muitos outros problemas. Substituir por leite de soja pronto ou caseiro (evitar o leite de soja instantâneo, em pó). Como fonte de cálcio, preferir as verduras e os feijões.

Farinhas brancas – O pão branco e as farinhas de trigo brancas, não integrais, são fermentativas e produzem mucosidades, além de serem pobres em proteínas, vitaminas e minerais essenciais. Seu uso constante enfraquece o organismo.

Frituras, comidas em saquinhos (chips), guloseimas, fast food – Hoje consumidos em grande quantidade por crianças e adolescentes, responsáveis por grandes desequilíbrios orgânicos e muitas doenças, como diabetes, obesidade, pressão alta, etc. O seu consumo regular, associado ao açúcar branco, determina um constante estado de acidificação do sangue e depósito de compostos prejudiciais.

Álcool –  Em pequenas quantidades (vinho, etc.) pode até ajudar, mas em excesso produz reações ácidas.

Recomenda-se, portanto, evitar estes alimentos substituindo-os, sendo que esta abstenção já significa um grande passo para a prevenção de qualquer gripe e de muitas doenças.

Alimentos recomendados para aumentar as defesas orgânicas

Há alimentos particularmente úteis para reforçar a nossa imunidade, tais como o arroz integral, os subprodutos da soja (tofu, leite de soja líquido, misso), a aveia (rica em beta-glucana, um grande estimulador do mecanismo de defesa), o inhame, as verduras em geral, frutas frescas, a semente de linhaça, o gengibre, o alho, a cebola e outros.

Dicas de Suplementos 3 de Outubro de 2009

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Alimentos Funcionais, Dicas.
add a comment

Sempre importante em qualquer aspecto para uma saúde melhor.

Suplementos

A medicina ortomolecular  e a fitoterapia preconizam o uso de dois suplementos:

Vitamina C – Recomenda-se o uso de 500 mg de vitamina C (ácido l-ascórbico) orgânica de uma a duas vezes ao dia, para reforçar as defesas. Crianças pequenas, metade da dose ou sob orientação pediátrica (ACENEW). (Distribuidor Rio de Janeiro – Biotech (21) 2532-0347).

Cogumelo do Sol –  Eleva a imunidade por ser rico em substâncias imunomoduladoras, como a beta-glucana. Adultos devem tomar 2 cápsulas de 500 mg 2 a 3 vezes ao dia, tanto como preventivo quanto para tratamento. Crianças pequenas, tomar metade da dose, sendo possível abrir a cápsula e misturar o conteúdo nos alimentos. No caso de dificuldade de encontrar o cogumelo do sol, procurar comer cogumelos, tipo champignon, shitake, shimeji, funghi, etc. (SUNCOGUMELO). (Distribuidor Rio de Janeiro – Biotech (21) 2532-0347).

Minerais e microminerais – Com a acidificação constante do sangue devido á alimentação industrializada moderna, aliada ao estresse, perdem-se muitos minerais e microminerais que não são repostos pela dieta, haja vista o fato de que os alimentos modernos estão empobrecidos em termos de minerais (solo naturalmente pobre, uso de adubos, agrotóxicos, manipulação industrial, congelamento, microondas, etc.). Certamente que essa condição afeta a imunidade. É necessário atualmente repor estes nutrientes de modo a manter as defesas orgânicas, mas não é qualquer suplemento que serve. Recomenda-se utilizar os concentrados biominerais marinhos, principalmente aqueles extraidos da poderosa alga Lithothâmnium, que possui acima de 50 minerais e microminerais orgânicos, de alta assimilação pelas células (VITALIDADE +)(Distribuidor Rio de Janeiro – Biotech (21) 2532-0347).

Frutas em geral – As frutas, principalmente as cítricas, ajudam a alcalinizar o sangue e são ricas em minerais e vitaminas, favorecendo a saúde e protegendo o organismo. Pessoas que consomem poucas frutas estão muito mais sujeitas, não só às viroses, quanto a qualquer outra enfermidade.

Estas orientações servem tanto para a prevenção quanto para serem utilizadas em casos de pessoas que contraíram qualquer tipo de gripe. Além do mais, estes procedimentos nos deixam seguros e tranqüilos em relação ao grande terror de se contrair, tanto a Influenza A quanto quaisquer outras doenças virais.

INDICAÇÕES ALIMENTARES 3 de Outubro de 2009

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Alimentos Funcionais, Dicas.
add a comment

Dada a desconfiança em relação ao Potássio, é mais prudente não comer a banana diária e reduzir as frutas sumarentas (com muito potássio), reforçando, no entanto, com absoluta confiança, os frutos secos (todos os que estiverem à disposição).

Alargar também tudo o que seja legumes frescos – garantidamente curativos apesar dos sais minerais em abundância e da ação alcalina.

Lembre-se, como ótimo, a couve-flor, a comer em abundância.

Os sumos devem ser alternados. Um dia Beterraba, outro dia Cenoura, por exemplo.

Um dia Couve, outro dia Nabo.

Um dia Alface, outro dia Couve.

Na certeza de que o grande alimento em caso de câncer, são mesmo os legumes e folhas verdes e não os frutos.

O que vai dar, em direto, ao miraculoso Caldo dos Vegetais Doces.

A forma ralada, especialmente das raízes (cenoura, nabo, etc.) é melhor ainda do que os sumos liquefeitos: conserva o magnetismo que a centrifugação faz perder.

Os macrobióticos falam também em salada prensada.

O uso dos legumes alarga-se aos legumes fermentados, ricos em enzimas:

– Couve fermentada ( Chucrute)

– Picles naturais

Por: Prof. Paulo Edson

Alergias Alimentares 12 de Setembro de 2009

Posted by Geraldo Neto in Alimentos Funcionais.
add a comment

É o desequilíbrio entre microorganismos benéficos e maléficos gerando uma situação desfavorável à saúde do ser humano:

– Destruição e má absorção de vitaminas e minerais, causando cansaço;
– Inativação de enzimas digestivas, prejudicando a digestão e induzindo a fermentação, causando distensão abdominal;
– Desconjugação de sais biliares, comprometendo a digestão e absorção de gorduras;
– Produção de substâncias capazes de atingir a circulação sistêmica, podendo causar sintomas em outros órgãos, causando dores de cabeça;
– Destruição da mucosa intestinal, gerando hiperpermeabilidade (passagem de grandes moléculas mal digeridas para o sangue). Ativação do sistema imunológico Alergias, hipersensibilidade, Resposta auto-imune e conseqüente, causando fadiga imunológica.
– São manifestações orgânicas conseqüentes das reações que o organismo utiliza contra substâncias estranhas (alergenos) ao seu funcionamento. Estas substâncias podem ser alimentos e/ou ingestantes (toxinas, fungos, aditivos, restos de insetos etc., que estão nos alimentos) e podem ser absorvidas pela pele, inaladas e/ou ingeridas.
– Sustância (nutriente, toxina, fungo etc.) mal digerida ou estranha ao sistema digestório = MACROMOLÉCULAS. Ativação do Sistema Imunológico (liberação de imunoglobulinas que se ligam à estas macromoléculas formando imunocomplexos liberação de HISTAMINA ALERGIA ALIMENTAR.

Por: Dr. Paulo Edson

Mudança de hábito 26 de Julho de 2009

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Alimentos Funcionais, Dicas, Dieta.
add a comment

Muitas pessoas não suportam bem a mudança para pão integral e produtos de farinha integral — por causa do açúcar industrializado. Estudos mostram que, ao passar para produtos integrais, os alimentos contendo açúcar refinado provocam indisposição. O açúcar refinado pode provocar mal-estar abdominal, sensação de peso, gases e até dores. Por isso, só podemos mudar a alimentação retirando o açúcar refinado no momento em que passamos para cereais integrais.

Para garantir a presença dos elementos vitais necessários, como vitaminas e enzimas, a comida precisa conter uma boa porção de frutas frescas e hortaliças não aquecidas. Também é preciso evitar as gorduras refinadas e voltar para as naturais, como a manteiga ou os óleos extraídos a frio.

Se as pessoas seguissem estes poucos princípios, dentro de 30 ou 40 anos as doenças teriam diminuído consideravelmente.

Por: Dr. Paulo Edson

%d bloggers like this: