jump to navigation

4 P’s do Stress no Trabalho 19 de Agosto de 2013

Posted by Geraldo Neto in Depressão, Dicas, Qualidade de Vida, Sinais e Sintomas, Stress.
Tags: ,
add a comment

Todos nós já lemos ou estudamos sobre os 4 P´s do Marketing – produto, preço, promoção e ponto-de-venda. Estes 4 aspectos dos estudos mercadológicos foram cunhados por Jerome McCarthy, professor da Universidade de Michigan, em 1950.

Mas e os 4 P´s do stress no trabalho, alguém conhece ou ouviu falar? Muito provavelmente não, até porque acabo de criar este paralelo…

Todos lidamos, de uma forma ou de outra, com estes 4 P’s fundamentais do stress no trabalho. Alguns os administram de forma mais equilibrada, outros nem tanto. Certos profissionais absorvem menos seus efeitos, outros chegam a adoecer por conta disso. As reações, formas de lidar, estratégias de prevenção e de correção são certamente diferentes de pessoa para pessoa. Idem para as diferenças nas organizações, que possuem posturas e políticas muito diversas em relação ao tema. Mas uma coisa é fato: todos lidamos com estes 4 P’s de forma inegável em nossas rotinas, carreiras e trajetórias profissionais.

1. Pessoas

Este é certamente o primeiro e mais importante P. Por vezes esquecemos que somos (e que estamos tratando com) seres humanos. Passamos do ponto, abusamos do ritmo, nos engalfinhamos em disputas (por vezes desnecessárias) com outros profissionais. Seres que tem emoções, razões, racionais e reações diferentes das nossas. E o jogo corporativo fica ainda mais desafiador com opiniões conflitantes, posturas agressivas, comportamentos simulados, fofocas, encenações, complôs, cascas de banana, agendas duplas, interesses, etc. Tudo isso vem no pacote Pessoas,
e colabora muito para o nosso stress no trabalho. Pessoas diferentes tem perspectivas (outro P secundário) diferentes, por diferenças na origem, criação,família,costumes,formação,experiência profissional e história de vida. Temos em comum o mesmo código genético, mas nossos pensamentos e reações são fundamentalmente diferentes em muitos
casos.

No trabalho, onde somos pagos para produzir, temos que criar uma convivência civilizada com pessoas muito diferentes de nós, salvo raras exceções. Somos pagos para produzir o que se espera da função que ocupamos, quem sabe até superando as expectativas, o que pode nos gerar ascensão de carreira e novas oportunidades. Mas tudo isso depende de outras pessoas, além de nós mesmos. Pessoas que trabalham conosco, sejam elas nosso chefes, pares ou colaboradores de nossas equipes, fornecedores, clientes, investidores. Pessoas com quem podemos colaborar de
forma produtiva, ou não, que podem nos ajudar ou não, que podem nos atrapalhar ou não (e o inverso é absolutamente verdade).

Pare para pensar em quanto do stress proveniente do seu trabalho está diretamente ligado às pessoas: a reação inesperada de um colega, um rompante do chefe, o comentário mal digerido de um cliente, uma discussão acalorada por conta de um projeto, uma reação destemperada que você não esperava ter.

Somos (e temos que ser) profissionais. Mas antes disso, somos pessoas. Temos, sim, que saber reagir, saber administrar, saber levar, saber jogar para crescer e prosperar. Mas isso não quer dizer que não sintamos todos os efeitos dessa lida, deste desafio diário de conviver, aprender, ensinar ou mesmo ter que aturar outras pessoas não por escolha, mas por necessidade, para passar a maior parte do nosso dia, no trabalho.

2. Processo

Para uma empresa crescer e prosperar, ela deve desenvolver processos. É parte inegável das necessidades do crescimento, do aumento de porte, de mais pessoas trabalhando com os mesmos objetivos, às vezes em múltiplos locais, em diferentes línguas, com diferentes culturas. Processos significam a estrada pavimentada para que estas pessoas, os profissionais, possam produzir aquilo que é esperado de sua função, de forma orquestrada e sinérgica. Algumas empresas tem processos para tudo. Outras, quase para nada. Os dois cenários podem causar stress. Se trabalho numa multinacional ou empresa mais burocratizada e quero implementar algo novo, via de regra estou preso a processos e procedimentos, que são a forma de manter a organização organizada. Ao mesmo tempo, se na empresa que trabalho não existem processos e cada um faz as coisas como bem entende ou acha que deve, as chances de caos são enormes, bem como a perda de oportunidades, acúmulo de problemas, entre outras consequências. Tudo isso causa stress, seja porque quero fazer mais e não posso, ou porque não consigo na velocidade que quero ou que o mercado exige.

Podemos levar isso para casa, podemos nos consumir, descontar isso nos colegas ou subordinados, na família, ou na saúde. O grau de convivência construtiva que temos com os processos de nossas empresas reflete muito sobre o quão estressados estamos ou podemos nos tornar.

3. Produtividade

A partir da convivência (construtiva ou não) com outras pessoas e com os processos da empresa, podemos ser mais ou menos produtivos. Nosso objetivo é sempre a maior produtividade possível, o que traz junto com ela o stress gerado pelas demandas e pressões por desempenho, o eterno dar conta de mais e mais projetos e afazeres do trabalho.

Tecnologia? Está aí para nos ajudar a ser mais produtivos. Fato.

Mas também para nos controlar e nos viciar, para nos manter plugados no trabalho o tempo todo. Fato.

Queremos ser produtivos. Somos pagos para isso. E se não conseguimos produzir como esperado? Mais stress ainda. Pressão para chegar lá (onde?) interna de nós mesmos ou externa do time, do chefe, do cliente ou do mercado.

E a produtividade também pode ser entendida como os entregáveis finais do nosso trabalho: o lucro (p de profit), a conversão do novo cliente (prospect), a manutenção do cliente atual (parceria), entre outros. Todos com seu grau inerente de exigência e stress gerado, no ambiente do trabalho e em nossas vidas pessoais.

4. Prazo

Por fim, o P que sempre nos acompanha como uma espada sobre a cabeça: o prazo. Temos prazos para tudo, deadlines e cronogramas, datas a serem cumpridas e calendários nos vigiando o tempo todo. Sonhamos com o momento em que um projeto estará entregue, esquecendo que quando isso chegar, teremos vários outros na pauta. Com mais e mais responsabilidades no trabalho, temos que ser multifuncionais.

Como ainda não inventaram uma forma de flexibilizar o tempo, e como os prazos nos exigem, empurram e medem nossa produtividade e entrega, o que fazemos? Trabalhamos mais. Invadimos as noites, abortamos o tempo da academia, emendamos o almoço no trabalho, abrimos mão do tempo com a família, levamos trabalho para o final de semana, produzimos no avião, no banheiro, na salade espera ou até dentro do carro. Temos que cumprir, dar conta, entregar no prazo. Tudo isso com o stress como efeito diretamente proporcional.

Pessoas, processos, produtividade e prazos. 4 aspectos fundamentais do trabalho, do crescimento econômico e do sucesso no mundo dos negócios. 4 forças motrizes ou elementos-chave na geração do stress do trabalho, o stress ocupacional que pode invadir nossas vidas pessoais, nossa saúde, nossa sanidade, nosso propósito de vida. E que podem retornar com igual força e impacto no resultado das empresas: em suas pessoas, em seus processos, em sua produtividade e em seu cumprimento de prazos.

4 P´s que podem ser absolutamente construtivos ou destrutivos, no âmbito individual,empresarial e da sociedade como um todo.

Por André Caldeira

Anúncios

Identifique sinais de estresse e evite que os sintomas se intensifiquem 19 de Agosto de 2013

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Atividade Físicas, Dicas, Hipertensão, Qualidade de Vida, Sinais e Sintomas, Stress.
add a comment

No começo o estresse é apenas um estado de alerta. O corpo dá os primeiros sinais de que algo mudou: os músculos ficam contraídos e aumenta a produção de adrenalina. A pessoa está pronta para o que der e vier, fica alerta para o que se passa ao seu redor. De acordo com a especialista em estresse, Marilda Lipp, essa é a fase positiva, que prepara a pessoa para lidar com qualquer eventualidade.

Só que o efeito positivo do estresse deve durar, no máximo, 24 horas. A partir daí, é preciso cuidado para não entrar na fase de resistência. É quando mesmo depois de dormir uma noite inteira, ao acordar, a pessoa se sente cansada e a memória fica comprometida. “Esquecer de fazer uma ligação, esquecer onde colocou a chave. São esquecimentos bobos do dia a dia. É como se a vida tivesse pesando muito”, explica a especialista.

Acompanhe o Jornal Hoje também pelo twitter e pelo facebook.

A evolução do estresse não tem um prazo definido, mas as duas últimas etapas são as mais perigosas. A terceira fase é chamada de quase exaustão. Entre os sintomas estão: irritabilidade, gastrite, oscilação da pressão arterial, alteração da glicemia, queda de cabelo, ansiedade e depressão.

Até identificar que estava neste nível do estresse, qualquer barulho irritava a biomédica Loreta Pereira França. “Já fui parar duas vezes no pronto socorro com aumento de pressão repentina, de ter que ficar dois dias em repouso. É por isso que você precisa de ajuda”, relata Loreta. Ela toma remédios para controlar a ansiedade e sabe que sem o tratamento, poderia chegar ao último estágio.

Segundo a especialista em estresse, a fase da exaustão pode levar até a morte. A pessoa pode ter um enfarte, um derrame cerebral ou um câncer. “Logicamente não é o estresse que causa essas doenças, mas o estresse enfraquece o organismo e debilita a pessoa de tal maneira que outras doenças, que já estiverem geneticamente programadas, começam a ocorrer”, alerta Marilda.

Cada pessoa reage de uma maneira às fases do estresse. Por isso, antes de ficar doente, é importante colocar na rotina um tempo para a família, cuidados com o corpo e atividades que te façam sentir bem. “Na área emocional você deveria saber seu limite. Saber dizer não e manter atitude positiva frente à vida”, indica a especialista.

No ateliê de artesanato, Paula que trabalha como advogada tem um compromisso semanal com a saúde da mente. “Eu sinto muita paz e tranquilidade. Minha cabeça parece que esvazia e eu fico completamente relaxada. Isso me ajuda muito”, conta Paula.
Verifique se você tem sintomas de estresse:

Fonte: Centro Psicologico de Controle do Estresse – PUC Campinas
Marilda Lipp, psicóloga e especiliasta em estresse

Assinale os itens que indiquem como se sente neste momento:
1. Ombros levantados
2. 2. Dor ou tensão nas costas
3. 3. Aperto de mandíbula
4. Tensão ou dor na nuca
5. 5. Hiperacidez estomal (azia)
6. 6. Irritabilidade excessiva
7. 7. Boca seca
8. Taquicardia, ou coração batendo rápido demais
9. Suor excessivo
10. Mãos ou pés frios
11. Respiração ofegante
12. Desorganizado, não sabendo onde colocou as coisas.

Verifique o significado de sua pontuação:

Se não assinalou nenhum:
Parabéns, seu corpo está em pleno funcionamento no que se refere ao stress.

Se assinalou de 1 a 3:
A vida pode estar um pouco estressante para você. Avalie o que está ocorrendo. Veja o que está exigindo tanto de sua resistência. Pode ser o mundo lá fora ou pode ser você mesmo. Fortaleça o seu organismo.

Se assinalou de 4 a 8:
Há sinais de que seu nível de stress está alto e algo está exigindo demais seu organismo. Pode estar chegando no seu limite. Considere uma mudança de estilo de vida e de hábitos. Analise em que seu próprio modo de ser pode estar contribuindo para a tensão que está sentindo.

Se assinalou mais do que 8:
Seu nível de stress parece estar altíssimo. Seria bom consultar um psicólogo especialista em stress para fazer um diagnóstico. Sem dúvida, você tem fontes de stress representadas pelo mundo ao seu redor (pode ser família, ocupação, sociedade, etc) e fontes internas ( seu modo de pensar, de sentir e de ser) com as quais precisa aprender a lidar.

Por: Hellen Sacconi

Campinas, SP

A obesidade e o diabete 1 de Junho de 2012

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Alimentos Funcionais, Dicas, Dieta, Obesidade, Sinais e Sintomas, Stress.
add a comment

Se o corpo não consegue aproveitar todo o açúcar consumido, ele sobra no sangue e faz uma série de estragos

A obesidade e o diabete

Por Regina Célia Pereira | Ilustração Erika OnoderaO explosivo aumento da obesidade ao redor do globo traz no seu rastro a inflação do número de casos de diabete. Estimativas revelam que 80% dos diabéticos do tipo 2 concentram quilos além da conta. Não por menos, essa relação tão íntima serviu de inspiração para a criação do termo diabesidade no meio médico. “O excesso de peso pode levar a distúrbios no organismo e resultar na resistência à insulina”, revela o endocrinologista Marcello Bronstein, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Isso acontece quando esse hormônio não consegue entregar a glicose para as células com total eficácia. Assim, o pâncreas precisa trabalhar incessantemente para tentar manter os níveis de açúcar no sangue normais. Com tanta hora extra, a glândula começa a apresentar sinais de exaustão e abrem-se as portas para o diabete.
A doença compromete todo o organismo, a começar pelo sistema circulatório. Órgãos como os rins não recebem boa irrigação sanguínea e não funcionam direito. Os membros inferiores, principalmente os pés, também padecem com pouco sangue. Sem falar dos olhos. Para combater esse perigo, mudanças no estilo de vida são fundamentais e, acredite, são eficientes. Rechear o cardápio com grãos integrais e aumentar a oferta de frutas e hortaliças é a primeira medida. Incrementar seu cotidiano com a prática, bem orientada, de atividades físicas é outra atitude muito bem-vinda.

Problemas Respiratórios? 20 de Maio de 2012

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Alimentos Funcionais, Atividade Físicas, Dicas, Dieta, Qualidade de Vida, Stress.
Tags: , ,
1 comment so far

Nariz entupido, coriza, tosse, falta de ar, sintomas que podem indicar resfriado, gripe ou sinusite. Poderia ser outras doenças do sistema respiratório também.

Seguem algumas dicas:

1- Por que o frio faz com que os casos de problemas respiratórios aumente?

Não é o clima frio o verdadeiro culpado, mas sim o hábito das pessoas durante o inverno. “Quando o tempo está frio, os lugares ficam mais fechados e as infecções se espalham mais facilmente”, diz o pneumologista Oliver Augusto Nascimento, vice-presidente da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia. O clima seco também torna mais fácil contrair doença respiratória. “O tempo seco agride as vias aéreas, fazendo com que elas fiquem mais suscetíveis a alterações”, acrescenta o especialista.

2- A gripe (H1N1), camada de gripe suína, é mais grave que a comum?

Não há evidências de que o vírus da gripe suína seja mais letal que o da gripe comum. “No geral, a mortalidade pela gripe suína foi menor do que a mortalidade pela gripe comum, mais a primeira atingiu mais gente por causa do despreparo do organismo. É um vírus que nós, humanos, não estávamos preparados para combater”, afirma o pneumologista. O ideal é em casos de febre, dores no corpo e tosse, procurar um médico para fazer um acompanhamento e nunca se automedicar.

3- Receitas caseiras, como chás e inalações, servem para amenizar os sintomas?

Alguns chás, como o de hortelã e de camomila, podem acalmar e promover o bem-estar, mas não aliviam um problema respiratório. “Infelizmente, não há como melhorar os sintomas com soluções caseiras. A congestão e a produção de muco são uma inflamação nas células do nariz e o ideal é tomar alguma medicação para descongestionar”, revela o Nascimento.

4- Qual o melhor tipo de exercício físico para quem sofre de asma ou bronquite?

Segundo o pneumologista, se a doença está sob controle, a pessoa pode praticar qualquer tipo de atividade fícica. “O importanrte, primeiro, é controlar a doença. Assim, é possível levar uma vida normal. Dizem que o melhor exercício para quem tem asma é a natação, mas na verdade qualquer tipo de atividade física é benéfica, pois reduz o processo inflamatório dentro dos pulmões”.

5- As bombinhas para asma prejudicam o coração no longo prazo?

Acreditava-se que o uso das bombinhas (spray qua traz a medicação para ser inalada) provocaria problemas no coração, causando taquicardia ou elevando a pressão arterial. Porém, essas bolinhas são seguras e eficazes no tratamento da asma. “Temos dos tipos de bombinhas: para aliviar a crise, chamada de bombinhas de alívio, que é broncodilatadora; e a medicação para prevenir as crises, que devem ser usadas todos os dias e contém corticoide inalatório”, acrescenta o pneumologista.

6- Sinusite precisa ser tratada com antibiótico?

Uma pesquisa publicada no The Journal of the American Medical Association sugere que o uso de antibióticos é, muitas vezes, desnecessário, apresar de ser frequentemente indicado pelos médicos. Segundo estudo, realizado com 166 pessoas, não houve diferença significativa na melhora entre quem tomou antibióticos e quem ingeriu placebo (medicamento sem efeito). “Os antibióticos devem ser usados somente em casos infecção bacteriana. Se a sinusite for viral, o medicamento não faz efeito”, explica Nascimento. É possível saber o tipo do problema por um exame clínico e laboratorial.

Fonte: Revista Sua Saúde

180 países do mundo proíbem 8 de Maio de 2012

Posted by Geraldo Neto in Depressão, Dicas, Hipertensão, Mitos e Verdades, Qualidade de Vida, Sinais e Sintomas, Stress.
1 comment so far

No início da década de 80, a sibutramina foi desenvolvida como antidepressivo, agindo em áreas do cérebro que controlam não somente o humor e sensação de bem estar, como também o apetite. Em novembro de 1997, o FDA (Food and Drug Administration), agência americana que controla a qualidade de alimentos e medicamentos, aprovou nos EUA o uso da sibutramina para o controle do peso. A sibutramina auxilia na redução do peso promovendo um aumento da sensação da saciedade agindo também sobre a compulsão alimentar e como inibidora da sensação de fome. Estudos recentes, ainda controversos, atribuem a sibutramina um aumento da taxa metabólica de repouso (aumentaria o gasto calórico em situações de repouso). Existe ainda a possibilidade de que outros mecanismos, ainda desconhecidos, sejam responsáveis pela perda de peso em pacientes usuários desse medicamento.
A sibutramina age inibindo a reabsorção, recaptação e a degradação de neurotransmissores como a serotonina, noradrenalina e a dopamina, fazendo com que essas substâncias fiquem disponíveis por mais tempo estimulando os neurônios. Em estudo publicado em agosto de 2000 no Journal of Neurochemistry, Volume 75, 2ª edição – Balioglu, A. e Wurtman, RJ pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Cambridge – demonstraram que, em ratos, a sibutramina eleva a concentração extracerebral de dopamina e de serotonina e sugerem que a ação antiobesidade do medicamento pode ser resultante das mudanças provocadas por esse aumento da dopamina atuando no cérebro, assim como por alterações metabólicas resultantes desse aumento de serotonina circulante.

Demétrio, S. e Oliveira, AM. , da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-FMRP- Departamento de Farmacologia – verificaram os efeitos da sibutramina em ratos Wistar machos submetidos ao modelo experimental de ansiedade do labirinto em T elevado (LTE). Este modelo procura gerar em um mesmo animal respostas defensivas condicionada (esquiva inibitória) e incondicionada (fuga), as quais têm sido correlacionadas à ansiedade generalizada e ao pânico, respectivamente. Os resultados mostram que a sibutramina inibe a resposta de esquiva inibitória, sugerindo efeito ansiolítico e inibe a fuga no LTE, indicando efeito antipânico. (http://143.107.1.36/siicusp/cd_2001/ficha1166.htm).A sibutramina possui ainda outros efeitos independentes da perda de peso:

  • Diminuição do nível de insulina plasmática;
  • Aumento de HDL (colesterol “bom”) plasmático;
  • Redução de LDL (colesterol “ruim”) e triglicérides plasmáticos.

Ainda não há estudos sobre sua ação sobre crianças e adolescentes: não é indicada sua prescrição para pacientes com menos de 16 anos de idade. Não deve ser usada nas seguintes situações:

  • associada aos inibidores da monoaminooxidase (IMAOs): deve haver pelo menos duas semanas de intervalo após a interrupção dos IMAOs antes do início do tratamento com sibutramina;
  • associada a outros medicamentos anorexígenos, descongestionantes, sedativos da tosse, ergotamina e derivados, lítio,
  • antecedentes re transtornos alimentares como anorexia nervosa ou bulimia;
  • Glaucoma;
  • hipertensão arterial (ou história de);
  • Doença ou dano cerebral;
  • Convulsões (ou história de);
  • Doença cardíaca (ou história de);
  • Acidente vascular cerebral (ou história de);
  • Litíase biliar (ou história de);
  • Patologias renais severas;
  • Patologias hepáticas severas

O SETOR DE FARMACOVIGILÂNCIA DO CVS-SP recebeu 29 notificações de eventos adversos relacionados a sibutramina, (sete fichas foram encaminhadas pelo PSIFAVI – SISTEMA DE PSICOFARMACOVIGILÂNCIA DA UNIFESP) relacionados a seguir:

Tabela 1

Idade

Sexo

Dias*

Evento

21

M

60

Tontura + aumento de pressão arterial

41

F

14

Taquicardia + depressão + “bolo na garganta” #

47

F

?

Cefaléia + tontura + sudorese

45

F

01

Cefaléia + falta de ar + opressão no peito

41

F

?

Cefaléia + opressão precordial

45

F

?

Mãos, olhos e pernas inchadas.

26

F

01

Taquicardia

53

F

10

Taquicardia + “peso” em membros inferiores

39

F

01

Erupção na pele + edema e dormência labial

53

F

15

Prurido com placas + calafrios + ardor na pele

49

M

04

Disfunção erétil c/ ejaculação precoce + distúrbio de comportamento#

30

M

34

Síndrome do Pânico: dor precordial + sensação de morte iminente+extremidades frias + sudorese + hipertensão#

38

F

60

Neutropenia

40

F

02

Tontura + taquicardia + peso no braço esquerdo

?

F

90

Não observou perda de peso

?

F

03

Dor de cabeça

34

F

07

Aumento de peso

29

F

60

Depressão + ansiedade + insônia + falta de apetite#

37

F

01

Ânsia de vômito + perda de apetite + cefaléia+boca seca + calafrios

?

F

?

Aumento de peso

?

F

?

Gravidez: criança nasceu com Síndrome da Banda Amniótica

34

F

07

Desordens psiquiátricas + aversão a comida + insônia + constipação + taquicardia + alucinações + parestesias + agressividade + exaltação do humor + pensamento acelerado + comportamento de risco + hipotermia#

37

M

07

Aumento da pressão arterial

47

F

07

Síndrome Serotoninérgica: ansiedade, agitação, confusão, inquietação, hipomania, alucinações, coma, tremores, mioclonias, hipertonia, hiperreflexia, incoordenação, aumento do tônus muscular em membros inferiores, febre, sudorese, náusea, vômitos, diarréia e hipertensão.#

36

F

180

Distúrbio de conduta: irresponsabilidade, agressividade, irritabilidade, insônia, disfasia, redução do senso crítico.#

58

M

02

Ansiedade excessiva + sensação de aperto no peito.#

46

M

25

Ansiedade+falta de energia + cefaléia + excessiva distratibilidade + dificuldade de raciocínio.#

31

F

20

Ansiedade com alteração de memória de fixação.#

51

F

05

Ansiedade com irritabilidade.#

* início da medicação até o aparecimento do evento.

# Utilizamos o ALGORITMO KARCH E LASAGNA MODIFICADO POR NARANJO E COLAB. (NARANJO ET AL, CLIN PHARMACOL THER 1981. 30:239-45) para determinarmos a causalidade nos pacientes que manifestaram alterações psiquiátricas e nos 11 (onze) pacientes concluímos tratar-se de REAÇÃO ADVERSA PROVAVELMENTE RELACIONADA AO MEDICAMENTO.

Pesquisa realizada na Itália por Dra. Russo, A.e Prof. Caputi, A P., do Departamento Clinico e Experimental de Medicina e Farmacologia, Área de Farmacologia, Universidade de Messina – mostra os seguintes resultados:

Tabela 2

Sibutramina

Placebo

Evento adverso em Sistema nervoso

% incidência (n = 2068)

% incidência (n = 884)

amnésia

17.2

4.2

Insônia

10.7

4.5

Vertigem

7.0

3.4

Nervosismo

5.2

2.9

Ansiedade

4.5

3.4

Depressão

4.3

2.5

Parestesia

2.0

0.5

Sonolência

1.7

0.9

Estimulação do Sistema Nervoso Central

1.5

0.5

Labilidade emocional

1.3

0.6

Fonte: http://www.farmacovigilanza.org/corsi/corso_20010915.04.htm

Obs: Em função do objetivo desse Alerta, transcrevemos apenas as alterações no Sistema Nervoso.

Diante dessas notificações, O SETOR DE FARMACOVIGILÂNCIA DO CVS-SP alerta:

  • Poucos trabalhos foram realizados até o momento procurando verificar os efeitos da sibutramina como desencadeadora de transtornos psiquiátricos em indivíduos sadios ou como fator de agravamento desses transtornos em pacientes já diagnosticados como portadores de distúrbios psiquiátricos;
  • Os inibidores da recaptação de serotonina podem constituir uma alternativa com poucos efeitos secundários, porém, em relação à atuação sobre receptores de noradrenalina, estudos mais dirigidos são necessários para podermos utilizar a sibutramina com segurança.
  • Embora os laboratórios farmacêuticos responsáveis pelo produto no Brasil informem que “Não há evidência que sibutramina interfira nos resultados de exames laboratoriais”, alterações na função hepática, incluindo aumentos (duas a três vezes o valor máximo considerado normal) na TGO, TGP, GGT, LDH, fosfatase alcalina e bilirrubinas, foram reportadas como eventos adversos em 1,6% pacientes tratados com sibutramina comparados ao grupo controle (utilizando placebo) que apresentou uma incidência de 0,8%.(www.rxlist.com/cgi/generic/sibutramine).
  • O SETOR DE FARMACOVIGILÂNCIA DO CVS-SP, exercendo sua função de assegurar o devido uso de qualquer medicação, fez cumprir seus direitos notificando os laboratórios farmacêuticos responsáveis pelo produto no Brasil, a necessidade emergencial de alteração de bula desses produtos; caso haja o não cumprimento dessa notificação, medidas sanitárias legais serão tomadas.
  • O relato / notificação de eventos adversos é confidencial e não poderá resultar em ação legal contra o profissional de saúde que o fez. Na dúvida se a manifestação clínica é ou não um evento adverso, notifique!

 

Centro de Vigilância SanitáriaSetor de Farmacovigilância
Endereço: Av. São Luís, 99 – 5º Andar – São Paulo – S.P. – CEP 01046-001.
Telefone: 3259-2252 / 3259-5574 – Ramal 2066
E-mail:peri@cvs.saude.sp.gov.br
E-mail: farmacovig@cvs.saude.sp.gov.br

 

Transtornos Psiquiátricos mais frequentes 11 de Março de 2012

Posted by Geraldo Neto in Depressão, Diabetes, Dicas, Hipertensão, Mitos e Verdades, Qualidade de Vida, Sinais e Sintomas, Stress.
1 comment so far
  • Stress: Quem não é um pouco estressado hoje em dia? Mas esse pouco pode se transforma em muito doente. Sintomas: aumento da pressão e do colesterol, arteriosclerose, derrames, infartos, diabetes, gastrites e úlceras, intestino preso, diarréia e gases, acne, falta de memória, diminuição do interesse sexual, astenia, aumento ou diminuição do sono, falta de energia.
  • Síndrome do pânico: A síndrome do pânico não é uma doença, mas sim uma reação do organismo a um “stress” atual ou passado. Sintomas: taquicardia, sudorese, falta de ar, tremores, fraqueza nas pernas, ondas de frio ou de calor, tonturas, sensação de que o ambiente está estranho, de que vai desmaiar, de que vai ficar louco ou de que vai engasgar com alimentos, crises de suor, pensamentos que não saem da cabeça de que sofrem de doença grave, mesmo com exames negativos, ou de que poderiam fazer mal a si mesmo ou a outras pessoas, medo de tudo, até de sentir medo novamente.
  • Depressão: Tristeza, falta de interesse, pessimismo, apatia, indecisão, negativismo, aumento ou diminuição do sono, emagrecimento ou obesidade, dificuldade de concentração ou de se alegrar, diminuição da energia, preguiça, falta de vontade para as atividades do dia-a-dia.
  • Distúrbio obcessivo-compulsivo: Inclui jogo, sexo, compras, gastos excessivos, pequenos furtos, sensação de que o corpo está deformado. A pessoa fica escrava dos próprios pensamentos e repetição de atos, pois sabem que eles não fazem sentido, mas não conseguem evitá-los. O tratamento é longo com medicação e psicoterapia.
  • Anorexia nervosa: Mas freqüente em meninas adolescentes, mas também ocorre em homens e mulheres adultas. A pessoa emagrece muito e faz excesso de exercício físico. Mulheres param de menstruar. Em casos mais graves há enfraquecimento dos cabelos e das unhas e o paciente pode morrer ou torna-se crônico.
  • Bulimia: Pode ser uma doença independente ou fazer parte da Anorexia Nervosa. Consiste em ingerir quantidades enormes de alimento e depois provocar vômito ou diarréias. O paciente pode morrer por distúrbio hidroeletrolítico sem apresentar emagrecimento, o que torna a doença ainda mais grave e de difícil diagnóstico que a anorexia. Em ambas o paciente não costuma perceber o problema e quem observa são os familiares e amigos.
  • Hiperatividade e déficit de atenção: Doença que se inicia na infância e pode ou não permanecer na idade adulta. Mais diagnosticada na idade escolar, quando a criança parece não escutar o que lhe dizem, distrai-se facilmente, não completa os deveres, tem caligrafia lenta e laboriosa, é desorganizado, perde objetos, deixa cair as coisas da Mão, não consegue ficar sentado na sala e está sempre interrompendo o professor. Pode levar a sérias dificuldades na escola, no trabalho e no convívio social.

Chocolate pode ajudar no desempenho atlético da mesma maneira que o exercício físico 4 de Outubro de 2011

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Alimentos Funcionais, Atividade Físicas, Dicas, Mitos e Verdades, Obesidade, Qualidade de Vida, Stress.
1 comment so far

Boa notícia para as chocólatras. De acordo com uma pesquisa publicada pelo Journal of Physiology, jornal americano referência em assuntos relacionados à fisiologia do corpo humano, o doce predileto de muitas mulheres tem o mesmo poder que os exercícios físicos para melhorar o desempenho atlético.

Segundo o estudo, o chocolate – especialmente os amargos, de coloração mais escura – contém um composto chamado Epicatequina, capaz estimular o crescimento muscular de forma semelhante ao exercício. “O exercício aeróbico, como corrida ou ciclismo, é conhecido por aumentar o número de mitocôndrias nas células do músculo,” diz o Dr. Moh Malek da Universidade Wayne State University, de Detroit, EUA. A pesquisa mostrou que o chocolate parece trazer a mesma resposta.
Ainda é cedo para comprovar todos os efeitos benéficos do chocolate no corpo humano, mas testado em camundongos, a substância fez com que o corpo dos bichinhos produzissem mais mitocôndrias, gerando o crescimento do número de células que levam oxigênio ao redor do corpo, aumentando os níveis de energia.

Resta aguardar novos estudos e esperar que o resultado seja satisfatório. Imagina que paraíso seria devorar um bombom sem sentir peso na consciência?

Por Mariana Di Pilla

Café pode prevenir depressão, diz estudo 4 de Outubro de 2011

Posted by Geraldo Neto in Alimentos Funcionais, Depressão, Dicas, Hipertensão, Mitos e Verdades, Qualidade de Vida, Stress.
add a comment

Seria aquele cafezinho nosso de cada dia a bebida perfeita para prevenir a depressão? De acordo com estudos publicados pela revista norte-americana “Archives of Internal Medicine”, a resposta é sim.

Durante dez anos, médicos da Harvard School of Public Health, de Boston, examinaram os hábitos de 50 mil mulheres americanas. A análise dos dados apontou que aquelas que bebem, no máximo, uma xícara de café por semana tem 20% mais chances de desenvolver depressão em relação àquelas que são viciadas na bebida e chegam a ingerir quatro doses diárias.

Mas os pesquisadores alertam: os estudos ainda não foram concluídos para saber ao certo o que causa essa reação. No entanto, eles acreditam que a cafeína tem o poder de alterar a química do cérebro de maneira positiva. Se isso for de fato comprovado, o café entraria na lista de substâncias que podem prevenir o quadro depressivo. Casos já avançados da doença não podem ser curados apenas com a bebida.

Por Mariana Di Pilla

Descubra plantas e ervas que podem fazer mal em excesso 17 de Maio de 2011

Posted by Geraldo Neto in Alimentação, Alimentos Funcionais, Dicas, Dieta, Qualidade de Vida, Sinais e Sintomas, Stress.
add a comment

Quando pensamos em ervas e verduras, dificilmente levamos em conta que alguma delas pode nos fazer mal, visto que são consideradas alimentos leves, associados à cura de pequenos transtornos. Todavia, até mesmo na hora de ingerir chás e saladas é preciso equilíbrio, pois como lembrou Paulo Edson Reis Jacob Neto, presidente do Sindicato dos Terapeutas do Estado do Rio de Janeiro (Sinter-RJ) e terapeuta naturalista, “toda planta é tóxica. O que varia para o veneno é a dose”.

Por causa de suas vitaminas, minerais e nutrientes, muitas verduras e ervas devem ser consumidas com moderação para que não façam mal à saúde. O limite, segundo Jacob Neto é algo individualizado, pois leva em consideração idade, peso, sexo e outras características pessoais.

“Nada deve ser consumido indiscriminadamente. Nem mesmo alface! Além de ser calmante, vejo muita gente começar a fazer dieta e se jogar na alface. Rica em manganês, ela pode prejudicar o funcionamento da tireoide se for ingerida em demasia, atrapalhando o processo de emagrecimento. Por isso ressalto que o que é tóxico é o que não faz bem, não aquilo que mata”, contou o terapeuta.

Jacob Neto demonstrou preocupação com a crescente “moda” do consumo de produtos naturais, lembrando que muitas pessoas vão às lojas que vendem estes itens e fazem compras como se estivessem em um supermercado, porém sem qualquer orientação sobre o que estão adquirindo e como devem consumir saudavelmente aquele produto. “Virou moda consumir cápsulas de carqueja com alcachofra para emagrecer. Só que as pessoas não sabem, por exemplo, que a carqueja, em excesso abaixa a imunidade e expõe a pessoa à doenças”, destacou.

Segundo o terapeuta, existe uma diferença significativa entre remédios e medicamentos: “todo remédio vem de plantas, exclusivamente. Os medicamentos já são compostos 70% de vegetais, 25% de minerais e 5% de animais e tende a gerar efeitos colaterais”. O profissional também recomendou que o uso de suplementos seja feito única e exclusivamente sob prescrição médica para evitar overdoses que podem prejudicar a saúde: “quando ingerimos o alimento, dificilmente temos esse tipo de problema”.

Chazinho da vovó
Nem sempre o chá pode ser um aliado no combate às doenças, pois também podem fazer mal. O conselho das avós, de sempre mesclar ervas não é para ser descartado, visto que algumas plantas podem ser mal absorvidas ou causar outros males quando ingeridas sozinhas.

“Temos que levar sempre em consideração a individualidade para não haver excesso. No caso dos chás, recomendo, de maneira genérica, o consumo de 30ml de líquido por kg. Também não é preciso usar sempre folhas secas, mas se usar as frescas, é preciso aumentar a quantidade do ingrediente, porque elas têm mais água”, sugeriu o terapeuta.

Para conseguir o efeito desejado também é preciso combater a prisão de ventre para que todas as propriedades nutricionais do alimento possam ser absorvidas corretamente pelo nosso corpo.

O uso de produtos naturais também não deve ser feito ininterruptamente porque o corpo se acostuma. “O ideal é fazer uso por 21 dias, parar uma semana para que todas as células se renovem, e retomar o uso”, ensinou o profissional, que recomendou a busca de orientação médica, pois “toda planta é tóxica e seu uso deve ser individualizado”.

Saiba mais:
Conheça a seguir alguns vegetais e nutrientes que, em exagero, podem comprometer a saúde:

– Absinto (losna): ótimo vermífugo, o chá desta planta amarga é bom para febre, dor de estômago e problemas do fígado, mas pode destruir os glóbulos vermelhos do sangue;

– Agrião: muito rico em iodo, deve ser evitado por gestantes no primeiro e no último trimestre de gestação, pois pode comprometer a tireoide e induzir um aborto ou o parto prematuro;

– Alface: tem propriedades calmantes e é rico em manganês, podendo comprometer o funcionamento da tireoide quando consumido em excesso;

– Aloe vera (babosa): usada para tratar queda de cabelo, queimaduras, eczema e erisipela, deve ser usada apenas externamente, pois caso seja consumida, pode causar nefrite;

– Café: estimulante e rica em cafeína, é uma das bebidas mais consumidas em todo o mundo, mas em demasia pode causar azia por sua acidez, insônia e até taquicardia;

– Capim Limão: calmante e digestivo, pode aumentar a acidez estomacal e provocar azia;

– Carqueja: o chá amargo é digestivo e faz bem ao fígado, mas, quando consumido em demasia, reduz os glóbulos brancos, comprometendo a imunidade;

– Genciana: trata males estomacais, intestinais, do fígado e da vesícula. Em demasia, causa enjoo e fraqueza;

– Guiné: pode ser usada no tratamento de dores de cabeça e cólicas intestinais. Em excesso, é tóxica;

– Poejo: seu chá é calmante, induz ao sono e também é usado para tratar rouquidão e má digestão. É abortivo;

Portal Terra.

O Stress na mulher 13 de Abril de 2011

Posted by Geraldo Neto in Depressão, Dicas, Hipertensão, Mitos e Verdades, Qualidade de Vida, Sinais e Sintomas, Stress.
add a comment

As principais fontes do Stress feminino são:

  • Dedicar-se mais ao trabalho ou aos filhos;
  • Mudança de estado civil;
  • Condicionamento cultural e social;
  • Múltiplus papéis. 

Sintomas:

  • Ansiedade;
  • Tristeza e depressão;
  • Falta de concentração;
  • Irregularidades menstruais;
  • Dores de estômago;
  • Enxaqueca.

Consequencias:

No trabalho:  podem ocorrer problemas como atrasos frequentes, falta de eficiência, conflitos com colegas e dificuldade de raciocínio.

No lar: conflito com filhos e parceiro

Prevenção:

Identificar os sinais de Stress, aplicando programas de controle do Stress específicos para mulheres incluíndo o aprendizado sobre Stress feminino, o conflito dos múltiplos papeis, habilidade de relacionamento com os filhos e companheiro, controle da ansiedade, desenvolvimento de redes pessoais e  suporte social.

%d bloggers like this: